22 de março de 2018
(86) 99577-9242
portaldodelta.redacao@gmail.com
Logo do Portal do Delta
Publicidade

Postado por Delta em 22/mar/2018

Governo não vai à audiência e policiais denunciam manobra no Piauí

O Governo do Estado não enviou nenhum representante à audiência pública para discutir o reajuste salarial dos policiais militares e civis. A reunião iria ocorrer na manhã desta quinta-feira (22) na Assembleia Legislativa.

A categoria aguardava a presença do secretário de Segurança, Fábio Abreu, e do secretário de Administração, Franzé Silva, mas foi surpreendida com a ausência de uma posição do Governo.

Para o deputado Firmino Paulo (PSDB), autor da audiência pública, a ausência seria uma manobra. Ele lembra que a partir do dia 07 de abril,  o governo de Wellington Dias  (PT) fica impedido de conceder reajuste para qualquer categoria.

“Percebemos que o governo tenta empurrar a discussão. Depois do dia 07 de abril ele não poderá mais conceder reajuste. A categoria luta há mais de três anos. A Polícia Militar só teve a reposição inflacionária em um ano só de 6%. E nossa inflação foi de mais de 20% durante esses três anos. Nem a recomposição inflacionária. O governo está ganhando tempo como impõe a lei”, destacou.

O vereador R. Silva afirma que a categoria tem sido ignorada pelo secretário Franzé Silva. ” O governo até agora não apresentou uma contraproposta de reajuste salarial. Desde 2015 enviamos uma proposta e somos ignorados pelo secretário Franze Silva. E agora o governo simplesmente não comparece à audiência”, afirmou.

R. Silva diz que o governo se aproveita da legislação rígida quanto a movimentos grevistas dos policiais. “O governo usa todas as manobras possíveis para não sentar com a categoria. Para outras, ele concede o reajuste. A polícia está ha mais de dois anos sem reajuste. Só de inflação o governo deve a PM em torno de 16%. O governo se aproveitar do regimento disciplinar dos policiais que é rígido com relação a movimento grevista”, disse.

A proposta dos policiais era dividir o reajuste em três vezes. ” Seria em torno de 15% para cada policial e bombeiro. O governo alega a Lei de Responsabilidade Fiscal. Isso só para a Polícia Militar e Bombeiros já  os comissionados são contratados para beneficiar aliados”, declarou.

A Comissão de Segurança da Assembleia decidiu marca uma nova data para a audiência. O governo foi novamente convocado para comparecer à Assembleia na próxima terça-feira(26).

Fonte: Flash Lídia Brito / CidadeVerde

0 Comentários

Deixe o seu comentário!